domingo, 18 de julho de 2010

O tempo passa rápido...

O Tempo passa rápido, e continuará sempre a passar.

Não importa quanto tempo já tenha passado, não adianta perder tempo remoendo os erros do passado, nem vale a pena viver relembrando os bons tempos. Ninguém sabe se o tempo restante é grande o bastante para não ser considerado pouco para o tempo.

Procuro no tempo que me resta, agradar a mim mesmo, quem me quer bem e também a quem não me quer. Tento saciar minha vontade de saber. Quero corresponder o amor de quem me ama e deixa isto explicito.

O tempo pode passar, desde que isto aconteça enquanto meus amigos estejam em minha volta. O tempo pode correr, desde que minha família esteja sempre reunida e se amando. O tempo pode voar, desde que minha filha esteja em meus braços dando gargalhadas.

Nem todos os objetivos de uma pessoa serão alcançados, não tenho mais 16 anos para pensar desta maneira.
Não tenho tenho 90 anos para desistir de tudo e todos.

Ainda me resta tempo.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Vale brincar?

Não é necessário dizer que trabalho é algo cansativo, que exige responsabilidade e seriedade mas tem momentos que a brincadeira se faz necessária, isto é inevitável. A pouco tempo, na sala de programação da RCA Sistemas, uma boia apareceu e o seu proprietário disse que era para deixar o assento mais confortável, porque o tempo fez com que a espuma de sua cadeira deixar de exercer a função principal.
Tudo bem, alguns riram, desacreditaram do motivo contado, mas eu, como um funcionário exemplar decidi não me manifestar. O tempo passou e com ele a vontade de aprontar só aumentava, por mais que tentasse controlar e demonstrar a seriedade exigida no ambiente. não pude evitar.
Não consigo explicar com palavras, posso dizer somente que o destino conspirava a favor! Em um dia comum como qualquer outro avisto um funcionário chegando na empresa com um assento de privada, aqueles com tampa e tudo mais. Minha única reação foi interceptar o aparato e no momento oportuno substituir a boia pelo assento de privada, piis bem, todos na sala riram, ficaram ansiosos para ver a reação do proprietário mas a brincadeira não surtiu muito efeito. Sendo assim, só me restou fazer uma nova brincadeira.
Encontrei um pouco de palha e decidir montar um pequeno ninho na cadeira sobre a boia, afinal, o programador em questão não ainda não sabe o que é ser pai, então porque não prepara-lo para tal função? A brincadeira foi bem recebida no primeiro dia (e consequentemente removida), eu repeti a brincadeira e a novamente ela foi recebida (e novamente removida), mas eu insisti e novamente implantei a brincadeira, pela terceira vez mas a reação já não foi tão amigável. Acredito que ele estava apenas querendo dizer que não estava pronto para chocar o ovo e ser pai :)